Logotipo Gulin

  • TRABALHO EM ESTRUTURAS, TANQUES, SILOS E BEIRAIS

INTRODUÇÃO:

As modernas técnicas de construção utilizam, de forma crescente, montagem de grandes peças pré-fabricadas, com rapidez, por gruas e guindastes.
 
As grandes construções, em pouco tempo, atingem elevadas alturas e torna necessário instalar, com rapidez, sistemas de segurança para movimentação dos trabalhadores.

Dentre os modernos sistemas de segurança, destacamos:

TRABALHO EM ESTRUTURAS:

LINHA DE VIDA PARA
MOVIMENTAÇÃO HORIZONTAL
CINTURÃO COM TALABARTE DUPLO
PARA MOVIMENTAÇÃO ALEATÓRIA

 

LINHA DE VIDA HORIZONTAL:

É um prático sistema de trabalho que permite movimentação dos trabalhadores com segurança sobre vigas e beirais de estruturas. É constituída de corda de poliéster ou cabo de aço. Pode ser montada em poucos minutos por práticos suportes de ancoragem.
 
 
TRABALHO EM BEIRAIS DE FACHADA:
 
Para movimentação em beirais de fachada e pontes rolantes, a utilização da Linha de Vida Horizontal Flexível é o sistema de proteção mais adequado e devem ser obedecidas as 3 regras indicadas pela norma inglesa BS 8437: 2005:
 
1° REGRA:
A linha de vida horizontal deve ser instalada, de preferência, acima do usuário e com a mínima frouxidão no talabarte de segurança.
 
ANTES DA QUEDA
Para facilitar a colocação e retirada dos troles na linha horizontal por usuários com baixa estatura, costuma-se instalar a linha a 1,80 m do piso, conforme mostra a figura acima. 
 
2° REGRA:
Antes de instalar uma linha de vida horizontal flexível a uma altura H do solo, deve ser assegurado que, em qualquer ponto da linha, esse valor seja suficiente para reter uma eventual queda antes do usuário atingir o solo.
 
DEPOIS DA QUEDA

 
IMPORTANTE:
Devemos assegurar que em qualquer ponto da Linha de Vida Horizontal, a altura dela em relação ao solo deve ser de, no mínimo:
H = A+B+C+D
 
Sendo:
 
H = altura da linha horizontal ao solo.
 
A = Deflexão da linha após a queda. (Informação que deve ser fornecida pelo fabricante da linha).
 
B = Comprimento máximo do talabarte com absorvedor de energia totalmente distendido. 
 
C = 2,0 m (distância da argola dorsal até a ponta do pé, conforme normas internacionais).
 
D = 1,0 m (vão livre necessário após queda, conforme normas internacionais).
 
3° REGRA:
Depois da linha de vida instalada, por motivos de segurança, antes de cada utilização da linha de vida é essencial verificar se a altura livre de queda sob o usuário no local de trabalho permite que, em caso de queda, não haja colisão com eventuais obstáculos ocasionais como, por exemplo, veículos estacionados.
 
Veja amplos detalhes de todos os tipos de Linha de Vida Horizotal em PRODUTOS e VÍDEOS.
 
Um exemplo de aplicação da LINHA DE VIDA HORIZONTAL é no trabalho sobre pontes ferroviárias, conforme figura ao lado.

 

TRABALHO EM TANQUES E SILOS:

O trabalho em fachadas externas e internas de tanques e silos pode ser realizado, com facilidade e rapidez, utilizando cadeira suspensa movimentando-se no TRILHO INOX GULIN.
 
Nas fachadas internas de tanques e silos, devem ser consideradas todas as exigências adicionais para trabalho em espaço confinado.
 
 

 

 
 

 

 
 

Para visualizar este vídeo é necessário ter o javascript ativado, considere atualizar seu navegador para um que possau suporte a videos em HTML 5

Alameda Glete, 788 − São Paulo − SP (Próximo ao metrô − estação Santa Cecília) − Fone: 11 3335−5050